quarta-feira, 5 de outubro de 2011

É estranho...

Sensação estranha
de não existir
de não estar aqui
de estar fora do tempo
a mercê de tudo e de todos
estar em off
em outro lugar
em outro estado
de auto-sugestão
concordando com tudo
aceitando tudo
mesmo sem opinião formada
Concordar é uma forma
de esgotar o assunto
É melhor encurtar as palavras
interagir com meros acenos
ou palavras monossilábicas
que deixar o locutor desatento
pensar que vai nos envolvendo
com alguma divagação
que já nem sabemos do que se trata
Ah, quem dera, quem dera...
Que a mente se fixasse
ao menos em um ponto,
que tivesse amarras
mas vai livre,
solta,
a mente
comemora a liberdade
com vôos rasantes
festejando a soltura
por já não estar presa
ao container humano
Vai, mente, comemora
mas volta logo,
não demora
e nem se perca
Ah, e perdoa-me
por não alegrar-me
com tua liberdade
Mas é que,
quando és prisioneira
em mim,
estou livre
mas quando és tu, mente,
quem voa, livremente,
o prisioneiro sou eu...


4 comentários:

  1. Obrigado, Denis, sua presença foi confortante. Seja sempre bem vindo.

    ResponderExcluir
  2. OLá Claudio, tudo bem? Seus posts são muito claros pra mim. Obrigada pelo comentário e pela visita. Fico grata em poder compartilhar seus conhecimentos comigo. Seja sempre bem vindo.

    ResponderExcluir
  3. Aceitei tua sugestão cá estou..
    Gostei muito do poema..
    Parabéns!!!

    Bj

    ResponderExcluir


Comentários estão liberados por tempo indeterminado, pois não terei condições, por algum tempo, de moderá-los (estarei sem internet durante algum tempo então não sei quando exatamente retornarei) por isso comentem a vontade e os comentários serão publicados automaticamente, porém, fica assim, logo que consiga voltar e lê-los, caso haja algo ofensivo ou inadequado, irei deletá-los, ok? (porém, tenho que ser justo: todos que passaram aqui e comentaram ou não, até este momento, só trouxeram alegrias). Ah, sim... ainda em tempo, há um post muito indigesto neste blog, se chama "Será que vale a pena...?", este post é tão horrível que, até este presente momento, só mesmo eu tive coragem de comentá-lo, por isso, para promover aquele texto (poema????) horrendo, os heróis (que Deus lhes proteja) que conseguirem comentá-lo concorrerão a uma caixa vazia do meu remédio faixa-preta, com uma dedicatória e meu autógrafo. Fiquem com Deus, assim que possível, retornarei. Bye.